Os sinos do Mart

publicado: 20/03/2019 14h12, última modificação: 15/12/2020 18h20

Em janeiro deste ano, dias 20 e 21, uma grande operação foi montada pelo Mart/Ibram para a retirada dos três sinos do campanário do antigo Convento de Nossa Senhora dos Anjos. Eles foram removidos em caráter preventivo visando a assegurar sua integridade, após serem observados danos resultantes das intempéries e da ação do tempo sobre as peças metálicas que fixavam os sinos nas coroas de madeira.

Para a retirada dos três sinos, foi contratado o sineiro Manoel Cosme dos Santos, conhecido como o Manoel dos Sinos, um dos maiores especialistas na área, com trabalhos realizados no Santuário Nacional de N. S. Aparecida (SP) e no Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro (RJ).

Os três sinos do Mart estão em exposição no jardim do museu.
Fotógrafo: Lu Rocha.
Ano: 2020.


Após a retirada dos sinos, o sineiro pode avaliar o seu estado de conservação e elaborou um diagnóstico completo, a última etapa do projeto, visto que a análise preliminar fora feita com os sinos ainda no campanário. Cada conjunto completo dos sinos pesa 75 kg, o menor, 300 kg, o médio, e 900 kg, o maior. Sendo que este último possui uma cruz desenhada em alto relevo. De acordo com Manoel dos Sinos, os sinos apresentam o típico formato dos instrumentos portugueses do Brasil colonial.

Foi elaborado um mapa de danos que confirmou a ação das intempéries e de agentes biológicos na estrutura de madeira dos sinos, além de danos causados no sino maior por uso inadequado quando ele ainda era tocado. A partir deste diagnóstico, foi possível ao especialista projetar as possibilidades de restauração que poderão ser viabilizadas com a elaboração de um novo projeto.

No momento, os três sinos estão em exposição no jardim do Mart, sendo frequentemente monitorados em seu estado de conservação, acessíveis aos curiosos que sempre os observaram de longe no campanário do antigo convento.